3 Comentários

Com meu PAI descobri como “nasce” um ATLETICANO APAIXONADO. por Robson Izzy Rock

Robson Izzy Rock 1Com meu PAI descobri como “nasce” um ATLETICANO APAIXONADO. por Robson Izzy Rock

Era muito pequeno, deveria ter uns 6 ou 7 anos, para lembrar que jogo era aquele que meu pai me levou pela primeira vez, mas lembro bem que era do Atlético e era na velha Baixada.

Meu pai nunca me disse: “Seja Atleticano”.

Ele era paulista, palmeirense daqueles ferrenhos e do tempo do radinho de pilha, desembarcou em Curitiba no final da década de 60.

Em meio a uma confusão do time sendo rebaixado para a 2a divisão do campeonato paranaense, não se importou muito com a fase do clube, mesmo porque no ano seguinte, mais precisamente em 1968 o Atlético Paranaense, pelas mãos de Jofre Cabral, montava um time de “galáticos”, com Djalma Santos, Dorval, Bellini, Pepe e Zito, entre outros.

Mas não foram as vitórias ou as derrotas, nem títulos, e nem os grandes times, que roubaram o coração do ferrenho palmeirense, foi algo “sobrenatural” que sempre rondou o clube.

Conheci o futebol como paixão no inicio dos anos 80, em meio a times com poderio mundial. O futebol brasileiro contava com as máximas estrelas que o mundo do futebol internacional sonhava em possuir, Flamengo de Zico, Santos de Serginho, Palmeiras de Leão, Vasco de Dinamite, o esquadrão São Paulino, o Corinthians de Sócrates, o Internacional tri brasileiro de Falcão e fiquei ali a beira do que via constantemente na tv, as bases da Seleção Brasileira. E por uma coincidência dessas que só o esporte proporciona, quando “conheci” o Atlético, estava o mesmo lutando contra a queda para a segundona.

Mas não, não foi nesse momento que me tornei um Atleticano apaixonado.

Ouvia constantemente, naquele longínquo ano de 1981, os jogos no mesmo rádio de pilha, e sempre antenado meu pai me perguntava como o jogo estava, quem era melhor e dava seus “pitacos” de um comentarista meio sem jeito.

As estrelas do time? Eram Nivaldo e Augusto. Sim tínhamos o brilhantismo dos belos passes de Nivaldo e a raça e os petardos do Zagueiro Augusto. O Atlético-MG tinha Éder, o Cruzeiro tinha Nelinho, o Flamengo tinha Zico, nós tínhamos Augusto.

Meu primeiro grande jogo, aquele que fez o Atlético roubar meu coração como torcedor, ocorreu em 27 de fevereiro de 1982, com mais de 57.000 torcedores no estádio Couto Pereira. Não tínhamos um grande time, mas algo que poucos clubes possuíam, A RAÇA que marcou as gerações anteriores e que construiu a tradição do Furacão.

Entrei naquele estádio em meio uma multidão calorosa de Atleticanos Fanáticos. Os jornais paulistas davam como certa a vitória e mais certa ainda que ela viria com uma goleada para os paulistas.

A única coisa que lembro daquele jogo, além da torcida, foi o gol que arrebatou meu coração para o Furacão.

Uma falta pela direita do campo de ataque e Augusto, nosso batedor de faltas oficial, saiu da zaga lentamente, e como um maestro posicionou a bola quase no bico da grande área. Meu coração acelerou como nunca antes em um lance, o nervosismo me tomou por completo, e pensei “Augusto, ajude-me a ver essa torcida que só conheço pelo rádio”.

Em câmera lenta, Augusto correu e desferiu seu petardo tradicional, vencendo a barreira e a meta São Paulina. Gol do Furacão! Gol do Furacão! Gol do Furacão! Meu pai me abraçou e festejou comigo.

O radinho de pilha estava nas mãos e ouvidos do meu pai, mas eu conseguia sentir, ouvir e imaginar ao mesmo tempo, o inesquecível Lombardi Jr narrando: “A – tlé – ti – cooooooooooooooooolaço” e a musiquinha “É golllll, que felicidade, é golllll o meu time é alegria da cidade”. “Alegria, alegria, alegria do meu povão Rubro Negro, estremece esse gigante de cimento armado, braços erguidos aos céus é o gol de Augusto para sacudir e levantar essa minha nação Rubro Negra. Um tremular frenético de bandeiras, corações palpitando é o gol de Augusto ecoando da garganta do meu povo Atleticano”.

Naquele momento pude entender o que significavam aquelas palavras, era uma festa incondicional ensurdecedora, o hino cantado em alto e bom som, uma alegria incontestável, 57000 pessoas vibrando, tremulando bandeiras, a Fanática torcida do Atlético Paranaense numa festa incontida, avassaladora e extravagante.

Após todo o êxtase do gol, lembro que virei para meu pai e disse “eles disseram que iriam nos golear, mas eles não têm Augusto”.

Sai do estádio hipnotizado por completo.

Após aquele gol o jogo não mais me importava.

O resultado? Nem me importei, os paulistas viraram e ganharam de 3×1, o que importava mesmo é que aquela torcida forjará mais um Atleticano.

Aprendi com aquele gol de Augusto que um Atleticano não nasce com uma vitória, ou com uma derrota, ou pela conquista de um título, um Atleticano de verdade nasce pelas mãos de sua ruidosa torcida, pela paixão dessa torcida, que transforma meninos em homens em um gol de lendários “Augustos”, o “sobrenatural” Atleticano que te pega pelo coração e o faz ser eternamente torcedor do amado Furacão, o Clube Atlético Paranaense.

Passei então a entender aquela frase que eu guardava em forma de adesivo em meio a meus pertences de criança, “Atleticano de verdade, mostra a sua força”.

Essa é minha homenagem a você meu PAI, um palmeirense ferrenho que se apaixonou pelo Atlético e que sem querer me mostrou a qual clube meu coração deveria pertencer. Por esses dias Deus te levou, mas deixou lembranças e uma herança que jamais abandonarei, ser torcedor apaixonado do Furacão, ser torcedor apaixonado do Atlético Paranaense.

E que lá pelos céus você possa vibrar com os próximos gols “dos Augustos” que virão.

Fique com Deus, MEU PAI!

Obs:

(Essa coluna é uma homenagem ao meu pai falecido em 08 de setembro de 2015 que me ensinou indiretamente a ser Atleticano e também uma homenagem ao amigo Rafael Lemos que me ensinou indiretamente como transformar as lembranças de um Atleticano em palavras.)

Anúncios

3 comentários em “Com meu PAI descobri como “nasce” um ATLETICANO APAIXONADO. por Robson Izzy Rock

  1. Amigo Robson, que beleza de texto!

    Escrever sobre sentimentos é furar a carne com a pena, molhá-la no próprio sangue e contar histórias – de vitórias e de derrotas – a que chamamos de vida.

    Escreva sempre!

    Abração do seu fã!

    Rafael

    Curtir

  2. EITA Emocionante como da primeira vez que li

    Curtir

  3. Texto emocionante, ainda mais para um atleticano doente como eu e meu filho.Parabéns

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s